6 de ago de 2011

Dica de leitura


 O Arquiteto do Esquecimento - Marcos Bulzara

Sinopse

Agosto de 1991. Aos 66 anos de idade, Doran Visich se vê diante do maior dilema da sua vida. O homem que escapou milagrosamente dos campos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e que sobreviveu a uma perseguição implacável durante a Guerra Fria, parece sucumbir diante da constatação irrefutável de que desta vez não poderá vencer. Será? O Arquiteto do Esquecimento revela os 113 anos de uma vida carregada de reviravoltas fantásticas. Único cientista capaz de decifrar o código químico para a criação de uma nova droga que irá revolucionar o mundo científico – uma droga capaz de apagar a memória humana -, o protagonista involuntariamente envolve-se num arriscado jogo da CIA que acaba culminando no assassinato do presidente John Kennedy. O livro viaja no tempo percorrendo o intervalo que vai de 1925 a 2038. Doran Visich cresce numa comunidade rural no interior da Polônia, enfrenta a crueldade dos campos nazistas, consegue escapar, refugia-se na Áustria, foge para os Estados Unidos e trabalha clandestinamente numa gigante farmacêutica enquanto busca desesperadamente se reencontrar com o seu passado. Quando a vida parece lhe sorrir, ele se vê obrigado a recorrer a um perigoso plano e mergulha num estado de coma que o “apaga” por quase meio século. Ao despertar ele terá respondidas as questões que transformaram a sua história. Quanto tempo alguém é capaz de esperar pela resposta que poderá mudar a sua vida? Doran Visich esperou quase 100 anos! O passado, enfim, revelará a verdade que ele não conhecia. A trama arrasta o leitor numa profusão de intrigas, perseguições, assassinatos, chantagens e reviravoltas impressionantes que conduzem ao final surpreendente. O Arquiteto do Esquecimento - uma história de ódio e perdão; de perseverança e regate; de esperança e salvação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem-vindos ao Primeiros Erros!
Atenção: nem todos os textos, imagens e demais conteúdos do blog são de minha autoria. Para maiores informações, críticas ou sugestões, entre em contato através de comentários.


Solte o verbo! Comente!