19 de dez de 2011






Até hoje me perguntam: porque você se apaixonou? E tem de ter um por quê? Eu não sei, e se ele vier me perguntar os motivos para eu amá-lo tanto, eu não saberei responder da maneira que talvez ele queira escutar. Sei que simplesmente o amo com todas as forças que tenho. Quero que isso dure uma eternidade, quero que isso seja um tanto infinito. O amor, assim como muitos dizem pelos quatro cantos do mundo, ele dói, dói muito, mas, eu posso estar sendo masoquista ao afirmar isso, dói de um jeito bom. Porque essa dor, no fim, vale muito à pena. Eu afirmo, querer mais do que tudo alguém que está tão longe de você, aperta bem no meio do peito. Mas eu não vou desistir, vou lutar para ser feliz ao lado dele. Ao lado do meu guri é onde eu tenho paz, onde eu repouso toda a minha paz e onde eu quero a mais completa união. Toda vez que olho nos olhos de meu guri, encontro durante um segundo, mais de cem razões para viver, e todas as feridas que essa distância presente causa, se vão. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem-vindos ao Primeiros Erros!
Atenção: nem todos os textos, imagens e demais conteúdos do blog são de minha autoria. Para maiores informações, críticas ou sugestões, entre em contato através de comentários.


Solte o verbo! Comente!