12 de out de 2011



Depois de algum tempo,  aprendemos a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. Aprendemos que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.  Começamos a aprender que beijos não são contractos e presentes não são promessas, começamos a aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante.
E aceitamos que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai ferir-nos de vez em quando e precisamos perdoá-la, por isso. Aprendemos que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobrimos que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que  podemos fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que  temos na vida, mas quem  temos na vida. 

  Aprende que não importa onde já chegamos, mas onde estamos indo, mas se não sabemos para onde estamos indo, qualquer lugar serve. Aprende que, ou nos controlamos os actos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
 Aprendemos que o tempo não é algo que possa voltar para trás.
Portanto...   realmente a vida tem valor e que nós temos valor diante da vida!"

William Shakespeare
                                                                           E nós, nós estamos a lutar contra o tempo....

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem-vindos ao Primeiros Erros!
Atenção: nem todos os textos, imagens e demais conteúdos do blog são de minha autoria. Para maiores informações, críticas ou sugestões, entre em contato através de comentários.


Solte o verbo! Comente!